Ultimas

Post Top Ads


31 de março de 2021

Rosa Weber suspende inquérito do STJ que investiga procuradores da Lava Jato

Rosa Weber suspende inquérito do STJ que investiga procuradores da Lava Jato
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF



Rosa Weber acaba de suspender o inquérito instaurado de ofício pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, para investigar ex-integrantes da Lava Jato.


Segundo a decisão da ministra, a investigação ficará suspensa até análise da Primeira Turma. “Oficie-se com urgência a fim de que tome conhecimento e dê cumprimento à decisão”, escreveu Rosa.


O inquérito aberto por Humberto Martins, com base em mensagens roubadas da Lava Jato e pinçadas pela defesa de Lula, tem inicialmente seis procuradores como alvos.


Os investigados são Luiza Frischeisen, Eduardo Pelella, Januário Paludo, Orlando Martello Júnior, Deltan Dallagnol e Diogo Castor de Mattos.


As únicas provas usadas para abrir a investigação são matérias jornalísticas baseadas nas mensagens hackeadas e numa entrevista do próprio Walter Delgatti, preso na Operação Spoofing.


Em recurso ao STJ, o subprocurador geral José Adonis Callou de Araújo Sá ressaltou a inconstitucionalidade da investigação, que usa prova ilícita para “para investigar e punir”.


Ele também disse que a investigação “fere o sistema acusatório e tem como base provas ilícitas, sem autenticidade e integridade comprovadas“.


Na sexta-feira, a defesa dos procuradores entrou com novo recurso pedindo a suspensão do inquérito, alertando para iminente ordem de busca e apreensão contra os procuradores, com risco até de prisão.


O Antagonista mostrou que, ao negar acesso da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) aos autos do inquérito, Humberto Martins, escreveu sobre “futuras diligências sigilosas que deverão ser realizadas”.


O que Martins quer é apreender os celulares dos procuradores — especialmente o de Deltan Dallagnol — que foram invadidos pelos hackers de Araraquara. Ele espera obter uma perícia que valide os diálogos extraídos do notebook de Walter Delgatti.


Além disso, o presidente do STJ busca detalhes das negociações do acordo de delação premiada de Léo Pinheiro, que o acusou de receber R$ 1 milhão em propina para arquivar um processo de interesse da empreiteira. O anexo com a acusação foi sumariamente arquivado por Raquel Dodge quando PGR.


O Antagonista

Nenhum comentário:

Seguidores