Icém Caraúbas PF deflagra operação para investigar grupo criminoso que fraudava Auxílio Emergencial em Cidades do Oeste Potiguar - Icém Caraúbas PF deflagra operação para investigar grupo criminoso que fraudava Auxílio Emergencial em Cidades do Oeste Potiguar - Icém Caraúbas

Ultimas

Post Top Ads







quinta-feira, 8 de julho de 2021

PF deflagra operação para investigar grupo criminoso que fraudava Auxílio Emergencial em Cidades do Oeste Potiguar

PF deflagra operação para investigar grupo criminoso que fraudava Auxílio Emergencial em Cidades do Oeste Potiguar

 

A Polícia Federal deflagrou hoje (8/7) a Operação Espúrio, com o objetivo de desarticular grupo criminoso responsável pelo recebimento fraudulento de parcelas do Auxílio Emergencial no Rio Grande do Norte. Cerca de 20 policiais federais cumpriram 4 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Mossoró, Tibau e Grossos, na Região Oeste Potiguar.


As investigações tiveram início em fevereiro deste ano, a partir da análise de notícias de fraudes ao Auxílio Emergencial constantes da Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial - BNFAE, que centraliza as contestações de beneficiários à Caixa Econômica Federal e é fruto da Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial - EIAFAE, definida pela Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Controladoria-Geral da União, Tribunal de Contas da União e Receita Federal, para racionalização do tratamento contra irregularidades no Auxílio Emergencial, com foco na apuração do envolvimento de associação, grupo ou organização criminosa.


Os levantamentos identificaram que o grupo criminoso realizava o cadastro de terceiros para recebimento do benefício emergencial por meio do aplicativo CAIXA TEM e, após a concessão do auxílio, os valores eram movimentados para contas controladas pelos integrantes da quadrilha por meio de transferências eletrônicas ou de pagamentos de boletos, tendo sido identificados, até o momento, o recebimento indevido de 28 parcelas do Auxílio Emergencial, totalizando prejuízo de mais de R$ 15 mil aos cofres públicos.


Os envolvidos responderão pelos crimes de furto qualificado e estelionato qualificado, cujas penas, somadas, podem alcançar 14 anos e 8 meses de reclusão.

Nenhum comentário:

Seguidores