Icém Caraúbas Polícia Civil prende suspeitos por latrocínio e falsificação em documentos - Icém Caraúbas Polícia Civil prende suspeitos por latrocínio e falsificação em documentos - Icém Caraúbas

Ultimas

Post Top Ads







segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Polícia Civil prende suspeitos por latrocínio e falsificação em documentos

Polícia Civil prende suspeitos por latrocínio e falsificação em documentos



A Polícia Civil do Rio Grande do Norte, por meio do 4º Distrito Policial (DP) de Natal deflagrou, nesta segunda-feira (27), a Operação “Faros”, em alusão ao termo “farol”, que resultou no cumprimento de nove mandados de busca e apreensão, um de prisão e de uma prisão em flagrante. As diligências aconteceram no bairro de Mãe Luiza, zona leste da capital potiguar. A operação aconteceu com apoio da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Delegacia Especializada de Narcóticos (DENARC), da Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (DEPROV), da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (DEFUR), da Delegacia Especializada em Assistência ao Turista (DEATUR), da Força-Tarefa de Homicídios de Parnamirim, da Delegacia Municipal de Santa Cruz, da DPGRAN e da Diretoria de Inteligência da PC RN. 


Em desfavor de Joelson Severiano de Andrade, mais conhecido como “Gato de Botas”, foram cumpridos dois mandados de prisão. Ele é investigado pela autoria do crime de homicídio que vitimou o agente de Polícia Civil Kléber Mota da Nóbrega, no dia 25 de abril deste ano, em São José de Mipibu. Joelson Severiano confessou a autoria do crime, praticado quando o policial civil estava em uma conveniência. No momento do crime, os suspeitos chegaram em um veículo e anunciaram o roubo, ocasião na qual o "Gato de Botas" efetuou disparos contra o policial, ocasionando o homicídio. No momento da prisão, "Gato de Botas" não estava armado e não reagiu à prisão. Ao ser ouvido, colaborou com a investigação e sinalizou detalhes de como se deu a dinâmica do crime. 


O “Gato de Botas” já havia sido condenado em outros processos a uma pena de 26 anos de reclusão em regime fechado. No final de dezembro de 2020, ele obteve benefício concedido pela justiça para mudança de regime; mas, em menos de 15 dias, já havia rompido a sua tornozeleira eletrônica. Ou seja, ele deveria se apresentar e cumprir sua pena, tendo em vista à prática de diversos crimes de roubos. Ainda no decorrer das diligências, os policiais civis deram cumprimento a outro mandado de busca e apreensão. Desta vez, na casa do presidente do Conselho Comunitário de Mãe Luiza, Jefferson Silva do Nascimento. No local, foram apreendidos vários atestados médicos falsificados, além de carimbos de dezenas de profissionais da medicina, motivo pelo qual foi ele foi  autuado em flagrante delito por falsificação em documentos públicos. 


Em outros locais, ainda ao longo da operação, foram apreendidos aparelhos celulares, além de porções de maconha e cocaína. 


Retirada de câmeras de videomonitoramento instaladas por organizações criminosas


Na última sexta-feira (24), após o recebimento de denúncias anônimas, foi deflagrada uma operação para a retirada de câmeras que haviam sido instaladas por uma organização criminosa, atuante no local, com o objetivo de monitorar as ações policiais no bairro. Ao todo, foram retiradas seis câmeras. As câmeras, que são irregulares, estavam instaladas em postes da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), sem nenhuma autorização. As investigações acerca do direcionamento/envio das imagens continuam. Ainda na ocasião, os policiais civis identificaram que havia ligação clandestina de energia, mais conhecida como “gato”. 


Esse foi mais um serviço integrado entre as forças de segurança no RN, proporcionando resultados satisfatórios no combate ao crime organizado e em prol da sociedade potiguar.

Nenhum comentário:

Seguidores